1º Festival Lux Interior Coimbra

Nos passados dias 9, 10 e 11 de Novembro, Coimbra foi palco do primeiro festival Lux Interior, um projeto da editora Lux Records que pretende não só dar a conhecer o seu extenso trabalho ao longo das ultimas duas décadas mas também homenagear o emblemático Lux Interior (líder dos Cramps) pela sua influência e inspiração a várias bandas da nossa cidade.

Foram três dias de pura celebração à musica que passaram pelo Convento de São Francisco e que, para além de contaram com concertos por parte de bandas tão conceituadas como por exemplo Mão Morta e Sean Rilley and the Slowriders, contaram com a exebição de documentários, um mercado de discos de Vinil e CD, uma exposição com as capas dos discos editados pela Lux Records, showcases e palestras relativas à  música em Coimbra.

Para além da exposição das capas, da feira de discos e do atelier de construção de instrumentos musicas de Cândido Jacob, que se prolongam durante todo o festival, o primeiro dia contou com a exibição do documentário "The Parkinsons: A Long Way to Nowhere" de Caroline Richards durante a tarde e, a encerrar o dia, com as atuações de The Millions, numa muito energética apresentação do seu disco de estreia "Internal Combustion", e do duo Ghost Hunt que envolveram por completo o público com as suas composições eletrónicas num concerto de celebração do lançamento do seu primeiro vinil.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

O segundo dia do festival arrancou com a exibição do documentário "Rockumentário" de Sandra Castiço e ficou marcado pela a presença de veteranos do mundo da musica no palco do Grande Auditório. Raquel Ralha e Pedro Renato contam com mais de 20 anos de experiência e percurso por diversos projetos mas foi em 2016 que se juntaram para criar aquilo que resultou em "The Devil's Choice vol.1", um album de covers que apresentaram com toda a alma e deixaram o publico completamente rendido. Sean Rilley and the Slowriders são uma daquelas bandas que dispensa introduções e presentearam os fãs com um concerto notável onde revisitaram "Farewell", o seu album de estreia que completa agora uma década com direito a uma re-edição em CD, uma versão em vinil e uma tour a nível nacional.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Sábado, dia 11 de Novembro, foi talvez o dia mais preenchido da agenda e aquele que maior publico atraiu aos espaços do Convento apesar de marcar também o fim desta edição do Lux Interior. Durante a tarde, para além das atividades permanentes já mencionadas, houve um showcase de António Olaio e João Taborda e foi exibido o documentário "Filhos do Tédio" de Rita Alcaire e Rodrigo Lacerda. A abertura da noite ficou a cargo dos D30 (the trio, "sucessores" dos saudosos Tédio Boys) que assinalaram o lançamento em vinil do album Exposed e cujo concerto teve tal presença e energia que a certa altura nem o palco os conteve nem muitos dos presentes conseguiram evitar saltar das cadeiras para dançar!

Assinalando o 25º aniversário do seu quarto album "Mutantes S.21" e aquele que os tornou plenamente conhecidos do publico nacional, subiram a palco os Mão Morta que apresentaram um poético e profundo espetáculo como só eles são capazes que acabou com a totalidade da audiência a aplaudir de pé e encerrando assim o festival com uma chave de ouro.

_MG_0559
_MG_0559
press to zoom
_MG_0556
_MG_0556
press to zoom
_MG_0543
_MG_0543
press to zoom
_MG_0601
_MG_0601
press to zoom
_MG_0494
_MG_0494
press to zoom
_M_0694
_M_0694
press to zoom
_M_03014
_M_03014
press to zoom
_M_0684
_M_0684
press to zoom
_M_0659
_M_0659
press to zoom

Fotografias e Texto: Olavo Costa