Atenção Leirienses que é já esta Sexta-Feira o Kick-off da grande tour "O REGRESSO À ANORMALIDADE" com o hilariante Hugo Sousa em pleno Teatro José Lúcio da Silva! A Exposer decidiu fazer um pequeno "catch-up" com o próprio para ficar mais dentro do assunto, e a verdade é que já estamos convencidos de que vale a pena o bilhete!!! Senhoras e Senhores, Meninos e Meninas, abram alas para o único, o enorme, o fantástico Huuuuuuugoooo Sooooooousaaaaa!!

Quando é que chegaste à conclusão que afinal até eras um “gajo” engraçado?
Percebi desde os meus 7/8 anos que conseguia fazer rir a contar piadas. Era um miudo introvertido mas na hora de contar anedotas perdia a vergonha porque adorava fazer rir.

Lembras-te da tua primeira sessão de stand-up comedy nas luzes da ribalta?
Antes das luzes da ribalta passei por um processo de fazer stand-up em bares que não tinham nada a ver com "ribalta" mas que me deram preparação para espetáculos a sério. Mas o primeiro que fiz de grande destaque foi o Levanta-te e Ri.

Qual foi a maior “calinada” que mandaste até hoje em palco?
Ui foram tantas! ahah O que me preocupa é mandar calinadas e o público não rir. Se eu mandar uma calinada e tiver piada está tudo bem.

Quem são as tuas referências nacionais ou internacionais do mundo do stand-up comedy?
Gosto muito do Dave Chappelle, Jim Jefferies, Louis CK, Eddie Izzard... Há muitos mais que adoro mas estes são as principais referências.

Onde é que vais buscar a inspiração e temas para desenvolveres nas tuas sessões de stand-up comedy?
A inspiração parte muito de coisas que acontecem à minha volta. Quem conhece o meu estilo sabe que adoro contar histórias e analisar situações com que me deparo.

O que está a significar para ti em termos termos da vida pessoal e profissional esta pandemia?
Em termos pessoais, apesar de tudo isto ser uma tristeza, por um lado até me permitiu passar mais tempo em casa e passar mais tempo com a minha filha que fez agora 9 meses, portanto, não foi assim tão mau. A nível profissional não me posso queixar muito porque fui trabalhando. Menos que em 2019 mas não me posso queixar. Nisto, quem mais sofreu, não foram os artistas que as pessoas conhecem mas sim quem faz o trabalho de bastidores. Sem essas pessoas o espetáculo não acontece. Estou solidário com todos esses profissionais.

O que é que te inspirou para esta tua nova tour “Regresso à anormalidade”
Foi o que referi anteriormente, ou seja, tudo o que acontece à minha volta. Estamos num momento muito particular em que todas as nossas vidas foram afetadas pela negativa mas há que ver o lado com piada de tudo o que fizemos.

Quais são actuas expectativas acerca desta Tour?
É que seja a minha maior tour de sempre! ahah!

Vais começar em grande, e logo na cidade de Leiria. Já alguma vez por aqui actuaste no passado? Achas que o público Leiriense é exigente?
Sim, já. Todos os anos vou a Leiria atuar e o publico nunca desilude.  Aproveito para agradecer a todos! 

Finalmente, uma mensagem para os teus fãs…
Parem de enviar soutiãs e outros tipos de roupa interior pelo correio... Já chega!

Data da publicação deste artigo - 06/04/2021

Edição da Entrevista: Exposer Magazine 

Fotografia: Hugo Sousa - Meio Termo