“A importância do óleo de palma sustentável"

Salvar o nosso planeta não é de todo uma tarefa fácil. Mas quer seja descobrir como reciclar os nossos produtos de beleza, ou abandonar aquela dependência vitalícia do uso de lenços faciais ou passar a usar champô sólido em barras, a verdade é que todos estes pequenos gestos acabarão sempre por ter um grande impacto. E já sabem qual é o próximo passo para a agenda de qualquer ambientalista? É sem dúvida a luta contra a indústria do óleo de palma. É um dos ingredientes de beleza mais controversos - mas será que é possível deixarmos de usar este ingrediente nos nossos produtos de beleza? A Exposer investiga…

É provável que já tenham ouvido falar do óleo de palma. Não só o verão nas listas de ingredientes dos vários produtos  da vossa cozinha e da vossa casa de banho, como até alguns já o conhecerão na sua substância natural, assim como  as questões de sustentabilidade que apresenta. Isto tem estado em debate há já algum tempo. Grupos ambientalistas têm feito campanha contra a utilização de óleo de palma durante anos, e em 2018 chegou às manchetes, quando a cadeia global de supermercados Iceland decidiu retirar o óleo de palma dos seus produtos de marca própria. É também um assunto próximo dos corações dos editores convidados Hillary Rodham Clinton e Chelsea Clinton, que são apaixonados por produtos isentos de óleo de palma ou que utilizam fontes sustentáveis.

As razões pelas quais o óleo de palma se tem encontrado sob intenso escrutínio são complicadas. Não é necessariamente um mau ingrediente - é na verdade um conservante útil que prolonga a duração de vida dos produtos em que é utilizado. A sua má reputação, contudo, é o resultado dos métodos agrícolas utilizados para o produzir: não só estão a ter um efeito prejudicial sobre os orangotangos já em perigo, entre outras espécies, como também estão a alimentar as alterações climáticas. Como acontece com muitos temas ambientais, é um campo minado. Há tanta confusão e desinformação, que pode ser difícil compreender o verdadeiro impacto negativo sobre o planeta e a vida selvagem.

Embora boicotar completamente o óleo de palma possa parecer o caminho mais simples a seguir, não é necessariamente a melhor abordagem. Sim, investir em produtos de beleza que são livres do ingrediente ajudará a gerir a sua própria culpa ecológica, mas há mais do que isso.

Portanto, a questão é: sim ao óleo de palma ou não ao óleo de palma? Continuem a ler este guia para que a partir de agora possam começar a navegar  de forma mais sustentável no no mundo do óleo de palma.

 

 

PARA COMEÇAR, O QUE É EXACTAMENTE O ÓLEO DE PALMA?

É um tipo de óleo vegetal derivado das palmeiras oleaginosas. A palma é originária da África ocidental e sudoeste, mas tem sido plantada com sucesso noutras regiões tropicais, incluindo a Indonésia e a Malásia. É um ingrediente extremamente versátil que pode ser encontrado em mais de metade de todos os produtos de supermercado, desde  as barras de chocolate e bolachas aos sabonetes e champôs. Nos cosméticos é sobretudo utilizado pelo seu efeito conservante natural, bem como pelas suas propriedades hidratantes. De acordo com a Roundtable on Sustainable Palm Oil (RSPO - uma organização de fabricantes, retalhistas e cultivadores activos na cadeia de fornecimento de óleo de palma ou que trabalham para tornar o óleo de palma sustentável uma realidade), 2% do óleo de palma e óleo de palmiste do mundo é utilizado no fabrico de cosméticos.

Existem dois tipos principais: o óleo de palma e o óleo de palmiste. Para extrair o óleo de palma, o fruto da palma (ver abaixo) é prensado para se extrair óleo de palma bruto (CPO), que é depois refinado para se tornar comestível. Em seguida, os refinadores processam o CPO no que é conhecido como óleo de palma refinado, branqueado e desodorizado (RBD). Por outro lado, o óleo pode também ser extraído directamente da amêndoa para criar o óleo de palmiste. Este é o material utilizado nos alimentos e no fabrico de alguns cosméticos, graças à sua capacidade de manter a sua estrutura sob temperaturas elevadas, à sua textura cremosa e suave e à sua falta de cheiro.

JÁ PERCEBEMOS - O ÓLEO DE PALMA É ÚTIL. E ENTÃO, QUAL É O PROBLEMA?

 

"O óleo de palma insustentável está a ter um efeito devastador no ambiente", adverte a Dra. Emma Keller, chefe dos produtos alimentares no World Wide Fund for Nature (WWF). "É responsável pela desflorestação em grande escala, destruição de habitats e libertação de emissões significativas de gases com efeito de estufa, o que alimenta as alterações climáticas". Por contexto, a Greenpeace afirmou que só na Indonésia, em cada 25 segundos perde-se uma área do tamanho de um campo de futebol. Isto significa que também tem um efeito prejudicial na vida selvagem, incluindo nas populações de orangotangos, elefantes e tigres que já estão em risco. "O relatório Living Planet da WWF [de 2014] concluiu que houve um declínio de 52% das populações animais [entre 1970 e 2010]", acrescenta Keller.

 

 

OK, MAS DEVEMOS BOICOTAR COMPLETAMENTE O ÓLEO DE PALMA?

 

Não tão depressa. Do outro lado da discussão estão as pessoas que dependem do óleo de palma para ganhar a vida. "Nos países produtores, milhões de agricultores e famílias trabalham no sector do óleo de palma. Este desempenha um papel importante na vida das famílias que trabalham para sair da pobreza - na Indonésia e na Malásia cerca de 4,5 milhões de pessoas ganham a sua vida com a produção de óleo de palma", explica Fay Richards, porta-voz da RSPO. Boicotar o óleo de palma no seu conjunto teria um efeito prejudicial sobre a subsistência destas pessoas. Cerca de 20% da população indonésia depende da indústria.

Além disso, o óleo de palma é de facto um dos óleos mais eficientes e sustentáveis. A quantidade que pode ser produzida a partir de um hectare de óleo de palma é de 3,7 toneladas, enquanto que um hectare de girassóis, por exemplo, produziria 0,7 toneladas de óleo. Assim, se o óleo de palma fosse boicotado e o óleo de girassol utilizado no seu lugar, a agricultura exigiria uma área de terra cinco vezes maior. Em última análise, a questão é a sustentabilidade.

Há marcas que já se comprometeram a deixar de utilizar óleo de palma e a concentrar-se em alternativas. A exuberância dos planos delineados para o cortar há anos atrásnão conseguiu assegurar que não houvessem vestígios na cadeia de fornecimento assim tão facilmente, uma vez que ele vem em tantas formas - nomeadamente sulfato de laurilo de sódio, um agente espumante encontrado nos sabões. Desde então, a Lush desenvolveu a sua própria base de sabão com manteiga de cacau, azeite, óleo de rícino e hidróxido de sódio, o que cria espuma sem a necessidade de um produto derivado do óleo de palma.

Mas para as marcas que continuam a utilizar óleo de palma, o seu foco precisa de ser mudado para as fontes sustentáveis. É por isso mesmo que a RSPO foi criada em 2004. "Os produtores de palma certificados pela RSPO são auditados por um organismo de certificação independente e acreditado que garante a adesão dos processos de produção aos princípios e critérios da RSPO - um conjunto robusto de directrizes sociais e ambientais rigorosas que devem ser seguidas", explica Richards. "Ao reunir as partes interessadas para procurar soluções para os desafios do sector do óleo de palma, a RSPO criou uma plataforma para transformar a forma como o óleo de palma é produzido, comercializado e vendido", diz Richards. "A adesão à RSPO mais do que duplicou nos últimos cinco anos; actualmente, aproximadamente 19% de todo o óleo de palma produzido globalmente é certificado segundo as normas da RSPO". À medida que mais marcas começam a limpar o seu rasto, encontrar produtos com óleo de palma produzido de forma sustentável irá sem dúvida tornar-se cada vez mais mais fácil. 

É FÁCIL DE IDENTIFICAR NAS LISTAS DE INGREDIENTES?

 

Infelizmente, a resposta curta é não. Com os alimentos, os fabricantes têm de listar os ingredientes, mas é uma história diferente nos cosméticos. Os derivados da palma constituem muitos dos blocos de construção da ciência cosmética, e esses derivados estão sob uma série de nomes, o que torna mais difícil a sua identificação. Estes derivados incluem lauril betaína, álcool cetearílico e cetearato de glicol, e quando utilizados em produtos podem agir como emolientes (para amaciar e condicionar), emulsionantes (para restringir a separação do óleo e da água) e surfactantes (para limpeza, espumação e espessamento).

Lou Green, a chefe de sustentabilidade da Neal's Yard Remedies, acrescenta que a mudança para óleo de palma certificado pela RSPO é um processo difícil e demorado. "O principal desafio para todos na indústria cosmética é que o óleo de palma seja frequentemente utilizado pelos fornecedores como matéria-prima para ingredientes funcionais", diz ela.

 

ENTÃO, O QUE É QUE PODEMOS FAZER?

 

É tudo uma questão de educação. Como diz Richards, o ímpeto está nas marcas para tornar os seus métodos de sourcing mais transparentes. "Eles precisam de rotular os produtos de uma forma mais clara e fácil de entender", recomenda ela. "A melhor solução para fabricantes e consumidores é garantir que pedem e só compram produtos que contenham óleo de palma sustentável", acrescenta ela. E isto significa desafiar as marcas a que se compra. "As pessoas podem pressionar as empresas e os governos a mudar. Os indivíduos devem perguntar às empresas onde obtêm o seu óleo de palma e se podem provar que este não contribuiu para a desflorestação. Devemos todos acompanhar as conversas em torno do óleo de palma e pressionar as marcas a fazer mais, na esperança de que um dia encontremos uma solução realista. A desflorestação resultante da produção industrial de óleo de palma é destrutiva para o ambiente. Existem, felizmente, produtos de beleza sem óleo de palma, mas é preciso saber o que procurar - o óleo de palma pode esconder-se em diferentes formas.

PRODUTOS QUE SÃO TESTADOS E NOS QUAIS SE PODE CONFIAR

 

Desde batom a cremes corporais, estes ou utilizam óleo de palma sustentável ou não utilizam nenhum.

Sempre à frente pelo exemplo,  a The Body Shop foi o primeiro retalhista de cosméticos e produtos de higiene pessoal a introduzir o óleo de palma certificado RPSO na indústria global da beleza. A Manteiga Corporal de Manga tem benefícios hidratantes superiores e não deixa a pele com uma sensação pegajosa.

thebodyshop.com

Cada produto da gama de cuidados de pele desta marca é 100% vegetariano e sem palma. Embora a embalagem seja adorável, o que é ainda melhor nesta marca é que a lista de ingredientes de cada produto inclui extractos e botânicos naturais, orgânicos e sem crueldade. 

campskincare.com

A Axiology é uma marca de cosméticos totalmente natural, vegetariana e sem crueldade. Este batom apresenta-se sem óleo de palma e contém apenas 10 ingredientes, incluindo óleos orgânicos de coco, mamona, grainhas de uva e abacate, tornando-o simultaneamente nutritivo e hidratante. A pigmentação com este batom também é seriamente impressionante.

axiologybeauty.com

A maioria das velas contém óleo de palma porque queima facilmente e de forma limpa. As velas da Neom não contêm, e utilizam colza e soja como substitutos. Acendam o aroma Calm & Relax, uma mistura de ylang ylang, incenso e patchouli que tem um tempo de duração de até 50 horas .

johnlewis.com

Com aroma de caramelo e sem óleo de palma, esta barra de sabão ostenta mel inglês suavizante para a pele, óleo de laranja doce e gel calmante de aloé vera. É suave para a pele e não a deixa seca nem apertada.

lush.com

Data da publicação deste artigo - 21/02/2021

Texto: Exposer Magazine 

Fotografia: Greenpeace e Shtterstock