Quinta Matéria

 

"Da Quinta para a Cozinha"

Abriu já no ano passado na Avenida D. Afonso Henriques em Coimbra, um restaurante com um conceito singular de petiscos portugueses com um toque mediterrânico pelas mãos do chef Jorge Bolito e da chef de pastelaria Raquel Machado. Depois de ouvir maravilhas, finalmente chegou a nossa vez de irmos jantar ao Quinta Matéria. Mal entrámos, fomos logo recebidos com um sorriso na cara pela “hostess” que nos fez sentir muito bem-vindos e nos levou à nossa mesa. Depois a nossa atenção virou-se para o lindíssimo bar que estava muito bem decorado e para o azul náutico que preenchia as paredes da sala e que contrastava lindamente com as madeiras claras do mobiliário, onde refletia a luz suave dos candeeiros contemporâneos que tornavam o ambiente bem acolhedor.
Tivemos o privilégio de conhecer o chef Jorge Bolito e a chef Raquel Machado, que entre os seus cozinhares vieram à sala, apresentaram-se e explicaram-nos muito brevemente o conceito da sua gastronomia e de que maneira poderíamos apreciar ainda mais os seus pratos.

Aprendemos que no Quinta Matéria, todos os dias variam os pratos disponíveis. Só depois de darem a sua volta matinal pelo mercado, os chefs escolhem os produtos do mais fresco que há para executar os pratos no dia. Aqui não entram congelados ou enlatados e é tudo feito de raiz, até o próprio pão, cujo fermento é preparado no restaurante, pela chef Raquel. Entregámos as rédeas aos dois chefs da casa e deixámos ao seu cuidado a nossa viagem degustativa, a começar pelo vinho escolhido que foi o Maçanita 2017, um vinho do Douro jovem e de aroma intenso, perfeito para os fortes sabores que se avizinhavam.
Chegou o couvert e ficámos logo de água na boca, ora vejam só uma seleção de pão fresco e caseiro que inclui pão de azeitona, focaccia e pão com chouriço. Para acompanhar, uma requintada “quenelle” de manteiga caramelizada e uma pequena taça com molho de bife à portuguesa com tiras de presunto. Cada dentada, uma verdadeira erupção de sabores e então podemos mesmo afirmar que este foi o “melhor pão com manteiga” que experimentámos até aos dias de hoje.

Depois veio a meia desfeita com grão de bico, uma entrada fria de bacalhau com cebola, pimentos e salsa acompanhado com um puré de grão de bico caseiro que estava tão aveludado que nos fez quase lembrar um “hum- mus”. Isto é o verdadeiro bacalhau com grão, mas apresentado duma forma como nunca vimos e o certo é que foi a maneira mais refrescante de começar esta viagem pelos sabores do Quinta Matéria.
Continuámos pelos sabores bem portugueses, que nos são tão conhecidos e foi a vez do Bacalhau à Braga, só que mais uma vez, com um “twist” dos dois chefs dentro da cozinha. A apresentação do prato estava tão primorosa que nem apetecia desfazer: uma posta contada com pimentos e cebola caramelizada acompanhada com uma batata frita em paralelepípedo e com uma maionese bem cremosa, elaborada com um pil-pil feito do azeite em que o bacalhau tinha sido contado.

Estávamos desejosos de experimentar a carne, e aquele Bife à Portuguesa não desiludiu. Estava no ponto, com uma cebola curtida conservada em vinagre de vinho branco, revestido com presunto caseiro e guarnecido com um belo puré de aipo que acrescentou um toque de frescura para equilibrar os sabores do bife. Mas não se ficou por aqui, ainda havia aquele molho ao qual já tínhamos sido apresentados no couvert das entradas e que mais uma vez brilhou ao unir todo este prato de forma genial.
Vieram os “ovos da minha avó”, que eram aqueles ovos que o chef Bolito comia quando era pequeno e que reavivou na perfeição com um chouriço à maneira e belamente acompanhados pelo pão pita caseiro preparado na hora pela chefe Raquel.

Depois de mais uns dedos de conversa mais um copo de vinho, chegaram as sobremesas: uma tarte de banana da madeira e uma rabanada. Parece simples, mas nesta casa, já sabemos que nada é o que parece! A tarte de banana feita com uma bolacha de baunilha e sal e com uma mousse de banana bem doce e apurada, vinha acompanhada por uma mousse de chocolate negro e flor de sal e também por um praliné de amendoim, causando uma verdadeira “festa” de textura e sabor no nosso paladar. A rabanada, essa vinha com um doce de ovos extraordinário e acompanhada por uma redução de vinho do porto, a combinação perfeita para o final dum jantar de sonho. É muito refrescante ver dois jovens chefs cheios de talento a aventurarem-se desta forma na nossa cidade e só vos temos a agradecer, Jorge e Raquel por terem escolhido Coimbra como o local para partilharem os vossos sabores e experiências.

Preço médio por pessoa: 15-20€


Aberto de Terça a Sábado: almoço (12:00 - 15:00) e jantar(19:00 - 23:45)

 

Reservas: 914 838 383

Fotografias: Exposer Magazine

Texto: Exposer Magazine